quarta-feira, 20 de setembro de 2006

Ele chegou com aquela cara de derrotado e me contou com exatidão a podridão do universo.
Me mostrou a sua falta de beleza e seu sorriso amarelado
Ele sempre achou que nunca seria alguém na vida,
Mas quem disse que ele era alguém?
Ele não passa de uma merda no meio do oceano.
Ele nunca amou, talvez por nunca ter sido percebido
Ele ainda achava que era feliz, e talvez fosse.
Não faltava nada para ele continuar a viver sua vidinha medíocre.
Mas um dia ele quis se aventurar,
Ele tomou um banho, colocou leite de alfazema e uma lavanda barata
E foi dançar uma dança descoordenada.
Dançou como John Travolta em embalos de sábado a noite,
Mas nenhum refletor se voltou para ele
Ele se deu ao luxo de beber uma cerveja e uma vodka barata,
E ousou tomar um táxi.
Sempre que ele precisa...
Ele pega meu corpo, meu rosto, meu sorriso, ousa, toma uma vodka barata
E sai pra passear.

Thiago Eury 08-08-2006

Um comentário:

izabel disse...

eee
né que tu fez mesmo o blog?
adorei! adorei!

;*