quinta-feira, 15 de novembro de 2007

O Palco é a vida

Existem duas pessoas no mundo que adoram me ouvir, o meu cachorro e meu terapeuta. O primeiro me olha com cara de pena e me faz ter muita pena de mim mesmo já o segundo é pago para me ouvir.
Por isso escrevo,escrevo porque eu sou a única pessoa no mundo que me ouve sem interesse e o único que é sincero comigo mesmo e diz o quanto eu sou idiota por amar demais as pessoas que não merecem o meu amor, aquele amor que eu digo nos meus textos, que nem eu mesmo sei se realmente existe. Adoro fingir que não existo, porque se eu não existir eu não posso sentir dor, se eu não existo a minha máscara de dor serve apenas para fingir que sou intelectual e que amo demais mesmo não sabendo se esse amor existe, eu não existo. Por eu não existir eu brinco de me vestir de outras pessoas, algumas vezes sou santo, outras puta, adoro me vestir de não amor, talvez essa seja minha melhor faceta, talvez assim eu consiga mais publicidade, eu adoro ser o centro das atenções, se ao menos eu existisse.
Vivem me pedindo para eu tirar minha máscara de tristeza e me vestir de felicidade, dizem até que eu posso ser o centro das atenções e escrever textos legais sobre felicidade mas não tem nada melhor do que se fantasiar e ver todo mundo sofrendo por querer uma pontinha do meu amor. Do meu amor que é só meu.
A verdade é que eu não sinto nada por ninguém, talvez por eu sentir demais.
A verdade é que eu me visto de sofredor e digo a todo mundo que você roubou o meu coração,que é só meu, porque é bem mais fácil interpretar o seu próprio papel.
Durmo sozinho durantes meses mas nunca senti nenhuma pontinha de remorso devido a todas ascartas de amor, todas as frases apaixonadas nem todas as noites de amor que eu nunca tive com você. Porque por mais que eu me vista com diferentes cascas, eu sou eu.
Sou completo assim, até no meu lado vazio. Eu adoro atuar mas eu odeio câmeras, por isso eu brinco de ser ator da vida real.
E tem gente que acha que me conhece, mas eu nunca vivi fora de mim.

Um comentário:

a clara menina Clara disse...

Sempre que eu vejo alguém que se veste de vários personagens, eu fico curiosa pra saber quem é o ator principal da peça. é meio estranho, mas pessoas assim me dispertam em uma tarde ociosa de domingo.
é engraçado até que você descobre que nenhum daqueles personagens chegam perto do que o ator realmente é,a casca formada como um escudo pra se auto-proteger do mundo e de tudo o que não for seu, vira uma "segunda pele", mas absurdamente falsa.
eu acho que tudo depende de um ponto de vista e de onde se quer chegar, aí sim se escolhe o personagem da vez. se é feliz quando se quer ser e esbanja-se tristeza quando dá na telha e foda-se o mundo.

tá mais do que adiciionado no meu blog.